home Opinião A arte de saber ouvir o povo

A arte de saber ouvir o povo

As comunidades escolares, quando confrontadas com a diminuição de alunos, devem ser ouvidas e desafiadas a encontrar soluções

O SPM considera que as comunidades escolares, quando confrontadas com a diminuição de alunos, devem ser ouvidas e desafiadas a procurar e a encontrar soluções que permitam pôr os excelentes recursos humanos e materiais de que estão dotadas as suas escolas ao serviço das populações. Isto implica que se passe de uma atuação de facto consumado, de precipitação, para uma intervenção de antecipação, de prevenção, de auscultação atempada das populações afetadas e de procura, em comum, das melhores soluções.

Porque está certo de que as fusões de escolas não são a melhor solução para este problema e porque se recusa a olhar para a atual conjuntura sociodemográfica como uma tragédia, o SPM tem apresentado sugestões que, por um lado, visam melhorar a qualidade das escolas e, por outro, contribuirão para melhorar a qualidade de vida das populações mais afetadas pela crise demográfica. Aqui ficam de novo:

1.º Como melhorar a qualidade das escolas

• redução do número de alunos por turma;
• lecionação em par pedagógico nas áreas disciplinares em que os alunos revelem mais dificuldades;
• colocação de duas educadoras por sala, para um apoio mais personalizado às crianças;
• reforço dos docentes para apoio personalizado e substituições rápidas, sempre que necessário;
• reforço dos apoios educativos;
• criação de equipas multidisciplinares para análise das dificuldades e procura de soluções ajustadas;
• desenvolvimento de projetos “Escola da vida” que permitam aos alunos de zonas mais distantes e com menos alunos manter o contacto com outras e conhecer a realidade das sociedades modernas.

2.º Como desenvolver e valorizar as comunidades onde se inserem essas escolas

• aposta na alfabetização e educação de adultos;
• criação de novas universidades seniores;
• desenvolvimento de atividades de apoio a idosos;
• desenvolvimento de atividades de interação com as populações abandonadas;
• oferta de atividades de valorização das pessoas: línguas estrangeiras, informática, expressão plástica…;
• dinamização de projetos culturais locais: teatro, música e dança;
• criação de projetos de recolha das manifestações culturais populares;
• criação de clubes de leitura e escrita criativa;
• criação de clubes de bem-estar e lazer.

Por fim, o SPM não pode deixar de reconhecer a importância que os estabelecimentos de educação e ensino têm para as populações como elementos identitários comunitários e de reafirmar a sua importância como fator de fixação das populações em locais mais afastados. Por isso, reafirma o seu empenho na defesa de um serviço público de proximidade, porque essencial para o desenvolvimento local e para a qualidade de vida das populações.

Pelo exposto, o SPM acredita que a Secretaria de Educação não irá ceder à solução simplista – fundir –, mas irá aproveitar os desafios postos pela crise demográfica para valorizar as populações e, com elas, procurar respostas que conduzam ao seu desenvolvimento.

+ posts
Partilha:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

centro de formacao
regalias